O que ninguém te conta sobre morar junto

É engraçado que eu tenha passado por essa situação duas vezes, achava que por ter essa “bagagem”, as coisas ficariam mais fáceis, mas não ficam. Morar junto sempre vai ser uma nova experiência que requer muito amor, paciência e compreensão. 

Sempre soube que não sou uma pessoa fácil de se conviver, sempre gostei de ter o controle sobre como as coisas ficavam em casa, sobre a programação e a rotina. Estar com alguém é abrir espaço e às vezes abdicar. Porque nem sempre vocês vão querer fazer a mesma coisa e tudo bem, a curva de aprendizado está em aprender a lidar com o sentimento de estar sendo deixada(o) de lado. Entender que querer fazer algo sozinho não significa desamor, significa que nenhum casal é uma pessoa só e que são essas individualidades que tornam aquela pessoa tão incrível. 

É preciso aprender a morar no silêncio do outro

Confesso que ainda não aprendi a distinguir o silêncio. Entender quando é só cansaço ou quando é motivado por algo que chateou o outro. Também não aprendi à distinguir as brincadeiras que devem ou não ser levadas à serio sem levar pro pessoal ou não me chatear.

Morar junto é de vez enquanto ter medo e achar que qualquer coisinha vai fazer o outro cansar e querer ir embora, mas também é entender que ficar é uma escolha e que acordar todos os dias ao lado de quem amamos é uma prova de que não importam quantas manhãs difíceis ou quantos desencontros aconteçam durante a semana, sempre vão haver aqueles momentos em que tudo vale a pena.

Como por exemplo, aquele sorriso espontâneo ao vê-lo massacrar os oponentes no LOL, ou quando ele conta aquelas piadas que fazem ele morrer de rir mas que não tem a menor graça. O jeito que ele te abraça forte antes de dormir e ao acordar, a forma que ele te olha como se só existisse você no mundo. Os planos de um futuro compartilhado e os projetos que não dariam pra fazer se não fosse com ele, porque antes dele qualquer coisa parecia impossível demais ou sem graça demais.

Morar junto é viver em constante aprendizado, sobre o parceiro e sobre si mesmo. É encontrar defeitos, mas descobrir a cada dia um motivo novo para amar o outro ainda mais. 

[Não deixe de ler este texto bacana do Papo de Homem, sobre morar junto]

Você também pode gostar desses posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *