O dia em que meu coração fez as pazes com o amor

Por toda nossa vida, continuamos procurando a pessoa perfeita para se apaixonar. A única pessoa que se tornará nosso refúgio, nosso parceiro para a vida, nossa alma gêmea. E muitas vezes, parece que não encontramos sorte quando nos colocamos lá fora, tão desesperados para nos apaixonarmos. Pode parecer que o destino tem outros planos para nós. E isso fará com que nos apaixonemos quando for a hora certa, nos lugares mais improváveis ​​e nas horas mais estranhas. Mas quando isso acontece, a sensação é de que o sentimento é de fora deste mundo. Precisamos manter nossa fé no amor e acreditar no que o destino tem reservado para nós.

Todo relacionamento tem uma história, mas o nosso era puro destino. As pessoas dizem que os opostos se atraem, mas esse não foi o caso aqui. Eu encontrei a versão masculina de mim mesma que compartilha muitos dos meus interesses. E diferente de alguns casos não foi preciso um milhão de encontros para eu saber que Ele era a pessoa certa. 

Continue Reading

Você só precisa de um pouco de paciência e inspiração para continuar procurando o amor

[Você pode ler este texto ao som de Desejo – Frejat]

Ame. Nada sobre isso é lógico. Nada sobre isso faz algum sentido. Mas, ao mesmo tempo, a única coisa que você pode entender é como você se sente em relação a essa pessoa. É alguém por quem você faz qualquer coisa. O amor vem sem regras ou quaisquer orientações a seguir, porque uma vez que você se entrega, tudo está fora de seu controle.

Ted Mosby disse em How I Met Your Mother: “Se você não está com medo, então você não está tendo uma chance. Se você não está tendo uma chance, então o que diabos você está fazendo, afinal? ”. É sobre isso que se trata o amor, deixar as reservas, a bagagem de outras dores para trás e se dar uma chance. Somos tão autocríticos às vezes. Temos a tendência de deixar nossas decepções nos subjugar e destruir nossa autoconfiança. Com o passar dos anos, perdemos nossa crença no poder desse sentimento tão lindo.

Continue Reading

Do poço ao topo: a história do campeão de Jiu Jitsu Julio Viotti

Campeão brasileiro de jiu jitsu Julio Viotti

A jornada de Jiu-jitsu de Julio Viotti começou aos 15 anos em MG, praticou o esporte por quase seis meses e praticamente foi expulso, por segundo o mestre na época, “não ter aptidão”. O retorno ocorreu aos 26 anos, assim que pisou no tatame sentiu a dificuldade de quem não praticava exercícios físicos e precisava superar obstáculos difíceis que desafiavam seu compromisso e testavam sua coragem. Talvez naquela época não imaginasse a grandiosidade dos títulos que iria ganhar ou disputar, mas como vamos ver no decorrer deste texto, nada veio de mãos beijadas e a lição que vamos aprender com ele é que persistência é a chave de tudo.

Além de campeão, hoje o atleta de 35 anos é educador físico, diretor de esportes e desde pequeno teve que superar a si mesmo. A primeira batalha foi consequência da toxoplasmose que a mãe teve durante a gravidez e acabou prejudicando a visão e coordenação motora fina. Com o senso de profundidade afetado acabou ficando meio desengonçado e sofrendo bullying na escola, toda sua infância era uma constante adaptação.

Continue Reading

A perturbadora série da Netflix: Conversations With a Killer: The Ted Bundy Tapes

documentário netflix

Assisti neste último domingo 03/02, a série documental que vem sendo discutida durante toda semana na internet: “Conversando com um serial killer: Ted Bundy”. Ultimamente tenho visto muitos documentários do gênero na própria Netflix, e me dividido entre os vídeos do canal da Bel Rodrigues sobre criminologia que super recomendo.

Ted Bundy ficou conhecido como um dos seriais killers mais brutais da América, tendo aterrorizado uma geração de jovens mulheres com seus métodos de assassinato, estupro e necrofilia. Ele entrou inclusive, na época, para a lista dos mais procurados do FBI.

Como todo psicopata ele tinha ciência do poder da sua boa aparência e o efeito que isso causava nas mulheres – o que o ajudava a se disfarçar, além de truques como usar um gesso falso para atraí-las as até seu carro, um fusca bege muito comum na época.

Continue Reading

Review Homem-Aranha no Aranhaverso

Na sexta-feira nosso emissário Pedro Medeiros foi enviado para uma cabine exclusiva à convite da Sony de Homem-Aranha no Aranhaverso. Como ele é super fã do herói fazia todo sentido que fosse ele e não eu a pessoa que irá contar para vocês um pouco mais sobre esse filme que está recebendo muitos elogios da crítica internacional. 

Continue Reading

Quadrinho e Rock in Roll: Panini fecha parceria exclusiva com Sepultura

Vocês bem sabem que sou extremamente fã do Rafael Albuquerque, por isso, fiquei super feliz em saber que ele desenvolveu uma ilustração exclusiva retratando a banda Sepultura junto ao Batman-Que-Ri.

O Box contém a saga completa da HQ (5 edições de Noites de Trevas: Metal + 2 edições de Batman: Metal – Especial), acompanha um pôster com a arte da caixa, uma revista com detalhes da série, entrevista com Andreas Kisser sobre a participação da banda no projeto, entrevista com Rafael Albuquerque sobre a criação da arte para a caixa e um preview da série Batman-Que-Ri, que será lançada pela editora em 2019.

Continue Reading

“OBRIGADA”

Por estragar todos os outros beijos…

Tentei desfrutar da liberdade do não pertencer. Estava ávida para sentir algo além de você. Acontece que meu corpo tem rejeitado outros toques, outros sabores, como quem expurga um vírus.

Um beijo numa boca conhecida e nada, nem uma faísca, nem um tesãozinho de leve, era só uma boca sem graça, sem sabor.

Sentada ao lado de outro lembrei da suas “cheganças”, de manhã, de tarde, de madrugada, meu coração disparou e me doeu o peito, estava ansiosa, inquieta, sem ar. Mas não era você que estava ali comigo, então eu corri pra longe, não consegui permanecer ali.

Continue Reading

Sobre ser a segunda opção de alguém

Quando adolescente me apaixonei perdidamente, gostava do papo, dos olhos verdes, do sorriso que eu pensava ser sincero. Mas eu não era a única, e saber disso me deixou em pedaços. Como abrir não de algo que parecia tão certo?

Me afastei…

Anos mais tarde nossos caminhos se cruzaram, e novamente eu não era a única, mas ele tbm não era. Fui tragada por uma relação doentia de mentiras, desconfianças, onde eu, era mera espectadora. Foram nove anos supurando as feridas, as mentiras. Sendo preterida, quando na verdade eu sabia, era boa demais pra ele.

Mas nos reencontramos e mesmo sem “ela” entre nós, mesmo perdoando e dando todas as chances, eu não era a primeira escolha, nunca fui. Foi então que entendi: nunca ia ser. 

Levaram quase dez anos pra eu entender racionalmente que merecia mais do que um homem pela metade, que sou boa demais e mereço ser amada de corpo e alma.  Eu me curei daqueles olhos verdes, sem imaginar que me perderia em outro sorriso, um sorriso que compartilho com outra. Que mergulhei num abraço, que não envolve só o meu corpo. Me deixando acreditar que seu pensamento só te leva pra mim.  Como me afastar te querendo tão perto e te sentindo tão meu? Foi preciso 10 anos pra me libertar de uma prisão, e um beijo pra me lançar em outra.

Continue Reading

Um bom encontro é de nós dois

Eu não estava preparada pra esse turbilhão de sentimentos avassaladores que  despertou em mim. Foi como ser atropelada e não conseguir anotar a placa. Todas aquelas canções fazendo sentindo tão de repente. Presa nos clichês que sempre debochei.

Eu não tinha nenhuma intenção de te trazer pro meu mundo, ou de querer fazer parte do seu, “é só uma aventura”, repeti inúmeras vezes para mim mesma, tentando me convencer de que seu tempo na minha vida tinha prazo de validade. Mas a conversa era tão honesta, que podia revelar meus desejos mais sombrios e pra você tudo bem.  Você me mostrou seu lado “fora da curva”, e te aceitei por completo.

Continue Reading

O verdadeiro significado de ficar “na margem”

[Você pode ler esse texto ao som de Alessia Cara – Here]

Esses dias aprendi um termo interessante, “ficar na margem”, basicamente é quando a pessoa cria barreiras entre si e os outros em um esforço para evitar a intimidade emocional. Não é preciso um sexto sentido para intuir que, se uma pessoa está em um relacionamento (independente do momento ruim ou do quanto ela expressa o quanto deseja terminar), ela não estará emocionalmente disponível.

Já falei aqui em outro texto sobre se envolver com pessoas indisponíveis, mas de onde vem a incapacidade de comprometer? Por que às vezes fugimos antes da possibilidade de iniciar um relacionamento estável? Pode ser o  medo do abandono ou invasão que escondem esse problema.

O medo do compromisso é nada menos que o medo do que o amor implica, o desafio que nos impõe. Geralmente, se a mulher reclama de falta de compromisso, o homem protesta porque se sente pressionado. Essa queixa sobre a falta de envolvimento se deve, na maioria dos casos, ao medo do abandono. E a resistência à rendição responde, em geral, ao medo de ser invadido.

Continue Reading